A quase um ano as chuvas não caem na região para pelo menos amenizar a seca. Foto: Valdemir Cintra

As barragens de Belo Jardim, no Agreste de Pernambuco, estão em pré-colapso em razão da falta de chuvas que não caem na região há meses, deixando os reservatórios com apenas 3% da sua capacidade.

A seca ainda é um problema climático que vem castigando a região Nordeste, mas a esperança poderá vim através dos canos da adutora do Agreste, uma realidade que recentemente está sendo vivida por moradores de Pesqueira (PE).

De acordo o gerente de Unidade de Negócios da Compesa, Gilvandro Barbosa, Belo Jardim e as cidades vizinhas que dependem das barragens, já vivem em rigoroso racionamento, medida preventiva para que seja possível aguardar a água do Rio São Francisco.

Em São Bento do Una faz um bom tempo que a água não chega nas torneiras de vários bairros, mesmo recebendo água da Barragem Pau Ferro de Quipapá (PE). Enquanto isso moradores vem se virando como pode para comprar água para consumo, isso vem encarecendo o custo mensal das despesas.

A Compesa alega que a evasão de água recebida não é suficiente para se ter um melhor rodizio de água e além disso problemas recorrentes como canos estourados dificultam o fornecimento.

A expectativa é que até o final de dezembro as barragens do Bitury, Pedro Moura e Tabocas recebam água e conseguintemente os municípios de Tacaimbó, São Bento do Una, Sanharó e São Caetano.

A barragem do Bitury que tem a capacidade de 17 milhões de metros cúbicos de água, há um bom tempo não chega a pelo menos metade da sua extensão, hoje está com apenas 3%.

A equipe da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) já está trabalhando para leva água da Adutora do Agreste para os reservatórios e caso ocorra tudo bem a população da região terá um verdadeiro feliz e abençoado natal e ano novo.

Veja também

Comente via Facebook

comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here